Contratos irregulares e fair-play financeiro no esporte eletrônico

Nesta semana, o UOL noticiou o início de mais um processo trabalhista no meio dos eSports.

O jogador João Luís “Marf” Piola processou o clube Team One, e o processo versa principalmente sobre a forma de contratação do jogador e a observação de seus direitos trabalhistas.

Será abordado com mais detalhes o processo de Marf vs Team One no eSports Legal da próxima semana, pois nessa semana será debatido um assunto que vêm incomodando este autor já há algum tempo: a falta de compliance, profissionalismo e fair-play financeiro nos eSports.

Contrato entre o clube e o atleta

Independente de qual a modalidade de eSports, já foi demonstrado aqui no eSports legal que existe a relação empregatícia entre o atleta e o clube, logo a celebração de um contrato de trabalho entre eles é medida de justiça.

Uma vez que a legislação esportiva é aplicável ao eSport, o clube e o atleta poderão eleger o contrato de trabalho previsto na lei geral (CLT) ou então o Contrato Especial de Trabalho Desportivo previsto na Lei Pelé.

Observação importante: existe a faculdade de eleger a forma de contrato, pois a celebração do Contrato Especial de Trabalho Desportivo só é obrigatória na modalidade futebol (artigo 94 da Lei Pelé).

Ocorre que a lei Pelé também prevê que a entidade que administra o esporte pode estabelecer em seu regulamento a forma que o contrato deve ser feito para que a inscrição do atleta possa ser válida.

Exigências para a inscrição do atleta (CBLOL)

Marf é jogador de League of Legends e foi inscrito pela Team One para jogar o CBLOL – Campeonato Brasileiro de League of Legends.

No regulamento deste campeonato não há qualquer disposição sobre a forma de contrato necessária para que o jogador esteja elegível para competir pelo respectivo clube, apenas que é necessário um contrato:

Apesar de ter sido noticiado em diversos sites especializados que a Riot Games e a ABCDE realizaram acordo para que fosse cobrada a carteira de trabalho assinada no momento da inscrição, este autor apurou que na realidade isso nunca aconteceu.

Quanto a jogadores estrangeiros, é obrigação legal, prevista na Lei Pelé, a fiscalização por parte da desenvolvedora do visto de trabalho para que o atleta esteja elegível a participar de competições.

 

Impactos no mercado esportivo

Não haver uma regra determinando um padrão na forma de contratação prejudica o mercado como um todo.

A falta de compliance leva ao descrédito frente a possíveis investidores.

Além disso, o clube que contrata de forma irregular o atleta terá vantagem financeira – e, portanto, competitiva – em detrimento daqueles que fazem a contratação de forma regular. Tendo a própria competição prejudicada, pois há a desigualdade competitiva, o produto esportivo passa a valer menos.

Em última instância, o nível competitivo da competição também sofre. Inclusive os representantes brasileiros de League of Legends têm feito péssimas campanhas em competições internacionais.

Sem medidas que garantam o fair-play financeiro, principalmente na forma de contratação dos atletas, o eSport está fadado a perpetuar o amadorismo, próprio do esporte brasileiro.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.