É função do STJD julgar o caso do presidente afastado da CBF?

No último dia 22 de julho o presidente do STJD negou liminarmente o Mandado de Garantia impetrado pelo presidente afastado da CBF, Rogério Caboclo.

A negativa se deu por conta da perda do prazo para acionar o tribunal, e não por entender que aquele foro não seria apropriado para deliberar sobre a questão.

De fato, houve manifestação da Comissão de Ética da CBF no sentido de que o STJD não teria competência para julgar o caso e que as instâncias ética e disciplinar são independentes.

Nesse argumento, portanto, não poderia o STJD deliberar sobre uma decisão da Comissão de Ética da CBF, já que são instâncias independentes.

A decisão do presidente discordou de tal argumento e afirmou a competência do STJD, sobre a qual concordo plenamente.

Venho defendendo nessa coluna que a razão de ser da justiça desportiva é a tutela do esporte e da competição desportiva. O Artigo 217 da Constituição Federal, que atribui à justiça desportiva a competência de julgar ações que versem sobre disciplina e competições desportivas, é claro no § 1º ao delimitar seu escopo de atuação.

E qual seria o objetivo de atribuir à uma estrutura jurisdicional tal competência se não o de proteger a instituição esporte e a competição desportiva?

Em artigo brilhante, meu amigo e colega de Mestrado Andrei Kampff argumentou sobre a possibilidade de o STJD atuar como um moderador na gestão da crise política na CBF. Concordo plenamente.

Ressalto ainda que a Lei Pelé (nossa atual Lei Geral do Desporto) prevê que a sanção de suspenção só pode ser aplicada após decisão definitiva da Justiça Desportiva (artigo 48, IV e artigo 48, § 2o).

Vejam que é a própria Lei Pelé que nos ajuda a questionar o argumento de que a Comissão de Ética e o STJD são instâncias completamente independentes e que não haveria foro para questionamento das decisões de ética nos tribunais desportivos.

Aliás, esse mesmo artigo 48 prevê que as sanções serão aplicadas “com o objetivo de manter a ordem desportiva”.

As instituições precisam de organizações internas que lhes permitam dar continuidade a seus objetivos; em última instância, estruturas que lhes permitam continuar a existir.

Antônio Carvalho (2014), numa releitura da doutrina lusitana sobre o tema, ensina que “o fundamento do poder disciplinar reside na necessidade de qualquer organização de possuir uma organização interna que lhe permita prosseguir seus fins (…) para o que dispõe do poder de sancionar aqueles seus elementos que perturbem o bom funcionamento da organização prejudicando seus objetivos[1].

Assim como qualquer outra justiça administrativa, a justiça desportiva é uma organização interna que permite que a instituição – o esporte formal e a competição desportiva – possa existir e atingir seus fins previamente estabelecidos.

A justiça desportiva tem sua esfera de atuação restrita à conflitos referentes à disciplina e às competições desportivas. É dizer, pois, que a justiça desportiva foi constitucionalmente e legalmente concebida para tornar possível o esporte formal e a competição desportiva por meio da estruturação de um ambiente propício para a resolução de conflitos advindos do mundo desportivo.

Nas palavras do Professor Álvaro Melo Filho, incumbe à Justiça Desportiva “dar sustentabilidade às disputas desportivas para fazer de cada uma delas uma competição que estimule, uma solidariedade que une[2]”.

De fato, a existência da justiça desportiva como mecanismo de controle interno e garantia da existência e continuidade do esporte é também uma exigência para a celebração do contrato de desempenho com a Secretaria Especial do Esporte.

A celebração deste contrato é condição para o recebimento dos recursos públicos federais pelo COB, o CPB e as entidades nacionais de administração do desporto. É o que determina o Decreto n° 7984/2013, no seu artigo 32, que exige que, para a celebração do contrato os estatutos das entidades disponham expressamente sobre “o funcionamento autônomo e regular dos órgãos de Justiça Desportiva referentes à respectiva modalidade”.

Assim respondendo à minha própria pergunta que intitulou essa coluna: é função do STJD deliberar sobre o pedido do presidente afastado da CBF, pelo bem do esporte.

Crédito imagem: Lucas Figueiredo/CBF

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo


[1] CARVALHO, Antônio Carlos Alencar. Manual de Processo Administrativo Disciplinar e Sindicância. Editora Fórum. 4ª Edição. Belo Horizonte. 2014.

[2] MELO FILHO, Álvaro. Temas Candentes de Justiça Desportiva em Revista Brasileira de Direito Desportivo. Ano XVII N°30/2018. Edição Especial Homenagem ao Professor Álvaro Melo Filho. 2018. Porto Alegre: LexMagister.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.