Lei Pelé pode ser também para o esporte virtual. Entenda

A lei é para todas as modalidades!

Um projeto de lei apresentado pelo deputado federal João Henrique Holanda Caldas, também conhecido por JHC, pode fazer com que a Lei Pelé seja aprimorada. O PL 3.450/15 que foi desarquivado propõe que o esporte virtual seja reconhecido como práticas desportivas regulamentadas pela Lei Pelé.

Com 21 federações filiadas à Confederação Brasileira de Desportos Eletrônicos, as modalidades esportivas virtuais, também conhecidas por eSports, segundo o próprio deputado, podem ser beneficiadas, pois a lei irá regularizar muitas modalidades de jogos virtuais e movimentar valores significativos para a economia nacional. Estima-se que em 2020 a indústria dos games ultrapasse a barreira de US$ 1 bilhão de faturamento.

Mas a dúvida é: a Lei Pelé não é só para regulamentar o futebol?

Em 24 de março de 1998, entrou em vigor a Lei 9.615, buscando melhor organização do esporte nacional por meio de regras mais rígidas, transparentes e profissionais. A norma também trouxe à legislação esportiva, entre outras coisas, definições sobre recursos públicos destinados ao esporte olímpico e paralímpico nacional e definiu, ainda, o funcionamento, a estrutura, autonomia e fiscalização dos tribunais de Justiça Desportiva.

Porém, equivocadamente, muitos acreditam que o regramento foi criado para definir apenas as relações do futebol nacional. Esse equívoco acontece devido ao nome dado à Lei 9.615 – Lei Pelé.

Segundo o advogado e especialista em direito desportivo¹ Maurício Correa da Veiga, a Lei Pelé leva o nome do nosso maior atleta porque, quando da sua promulgação, Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, era o ministro extraordinário do Esporte e presidente do Conselho do INDESP (Instituto Nacional de Desenvolvimento do Desporto).

A Lei Pelé institui regras para o futebol, mas, também, normas gerais sobre esporte e outras providências. Ou seja, ela organiza e rege práticas esportivas formais e não formais, garantindo a regularidade e a qualidade por meio do Sistema Brasileiro Desportivo.

Logo, atende a todos os atletas profissionais (com contrato de trabalho esportivo exclusivo com a entidade de prática, pactuado com remuneração definida e firmado com a entidade, além de cláusulas compensatórias).

Sem dúvida, as regras oriundas dessa lei trouxeram mudanças importantíssimas ao esporte, principalmente à profissionalização do esportista por meio do contrato de trabalho formal.

Além disso, também é conhecida como a Lei do Passe Livre, tirando dos clubes o controle do atleta, possibilitando que o jogador pudesse escolher onde jogar sem que o clube “dono do seu passe” precisasse autorizar.

O advogado e estudioso do Direito Esportivo Wladimyr Camargos é o relator da nova Lei Geral do Esporte (Projeto de Lei nº 68/2017 – Senado), que, além de aprimorar e tornar a administração, a gestão e a Justiça esportiva mais transparentes e modernas, atenderá as demandas de todas as modalidades esportivas. Caso queira entender um pouco mais sobre esse projeto que revolucionará o esporte nacional, vale a leitura do artigo “A nova Lei Geral do Esporte”, de Euler Barbosa, e acompanhar a coluna A lei é clara [?], do próprio Wladimyr Camargos.

Portanto, a Lei Pelé, Lei do Passe Livre, Lei Geral do Esporte ou, simplesmente, Lei 9.615/98 aplica-se a todos os atletas profissionais devidamente registrados e formalmente contratados por suas entidades esportivas, independentemente da modalidade que seja praticada, inclusive, se aprovado o PL 3.450/15, para as modalidades eletrônicas.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.