Marin condenado. EUA e FIFA dão exemplo, mas e o Brasil e a CBF?

O futebol recebeu, na última segunda-feira, 15 de abril, um dos poucos momentos em que um sopro de esperança renova a possibilidade de uma gestão mais profissional, transparente e ética no esporte. O exemplo veio da FIFA, precisamente do Comitê de Ética da instituição.

José Maria Marins (ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol na gestão 2012-2015) foi condenado pela Justiça americana por crimes de lavagem de dinheiro, fraude bancária, aceite de suborno em contratos da Libertadores da América e da Copa América. Ainda, em decisão anunciada nessa segunda, no campo institucional (Comitê de Ética da FIFA) foi sentenciado ao pagamento de multa de 1 milhão de francos suíços, além de ser banido para sempre de qualquer atividade relacionada ao futebol.

O banimento do cartola do futebol com uma punição pesada e exemplar de que o esporte estava precisando aconteceu. Será que os gestores do esporte continuarão acreditando na existência de impunidade?

Muito se falou no Brasil sobre a esperança por justiça quando a população assistiu à condenação de várias pessoas influentes. Até pouco tempo atrás, raros eram os políticos, empresários, banqueiros condenados pela Justiça no Brasil – nem sequer eram presos. As transformações começaram a mudar de uns anos pra cá. Mensalão e Lava Jato são exemplos conhecidos.

Os casos investigados e processados pelo FIFA-Gate (nome dado aos casos de corrupção investigados na FIFA) seriam, assim como a Lava Jato está sendo para o Brasil e o Watergate foi para os Estados Unidos, o marco da transformação da gestão do futebol no mundo.

É o que os amantes do esporte esperam.

Acompanhamos as punições nos EUA, na FIFA. Mas não há movimento voltado à punição das autoridades brasileira da administração pública e do futebol. Será que é por falta de vontade ou por falta de previsão legal, ou os dois?

Como já abordei em algumas oportunidades, a nova Lei Geral do Esporte, Projeto de Lei n.º 68/2017, que tramita no Senado, cujo relator é o Dr. Wladimyr Camargos, já prevê a tipificação de corrupção privada como crime e será fundamental para que os exemplos dados pelos países estrangeiros sejam também possíveis aqui no Brasil. O artigo do Dr. Euler Barbosa “A nova Lei Geral do Esporte” para o portal Lei em Campo trata exatamente do projeto encabeçado pelo professor Wladimyr.

Os dirigentes do futebol brasileiro mudarão de postura diante dos bons exemplos?

As mudanças estão acontecendo. A nova gestão da CBF, em seu discurso de posse, mostrou um comprometimento que nunca se viu no quesito gestão profissional e ética. Grandes mudanças exigem profissionais sérios e com coragem. Já foi criado o código e comitê de ética. Infelizmente, a cultura do “fazer o certo porque é certo” ainda está distante da nossa realidade, mas a transformação foi prometida. É aguardar. E cobrar.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Últimas Notícias

Colunas

Seções

Assine nossa newsletter

Toda sexta você receberá no seu e-mail os destaques da semana e as novidades do mundo do direito esportivo.